_____________________________________________
POSTS SOBRE: LIVROS :: O PSI RESPONDE :: CONTAR AOS PAIS :: VIAGENS :: ELEMENTOS DE PRAZER :: BARES GAY :: VÍDEOS
_____________________________________________
Podes seguir o blog através do twitter AQUI

Pesquisa personalizada

Quarta-feira, 27 de Outubro de 2010

Feira do Livro LGBT começa hoje!

Ora aqui está uma iniciativa a não perder!!!!

 

Nova edição da Feira do Livro LGBT, a decorrer de 27 a 31 de Outubro, no Centro LGBT.

 

Organizada pelo Centro de Documentação como nas anteriores edições, o foco principal da Feira é a promoção da literatura e autores/as LGBT existentes no mercado editorial português mas mantendo um espaço para a divulgação de outros géneros e autores, desde que integrados num mesmo objectivo de igualdade e de respeito pelos direitos humanos. Como já é habitual, a Feira terá uma secção de livros manuseados, doados para a ILGA Portugal para o efeito, e uma secção de livros novos, com uma selecção de obras clássicas e de títulos recentes no mercado, incluindo literatura, romance, poesia, teatro, estudos e ensaios, literatura infanto-juvenil. Este ano, estarão também presentes, como parceiros, a livraria Trama, as editoras Zayas e Ramiro Leão e a Bubok, editora de auto-publicação. Como novidade, este ano a Feira do Livro vai contar com a presença de escritores como Possidónio Cachapa, Nuno Nodin, Deanna Barroqueiro e Marisa Medeiros, entre outr@s, para conversar com o público sobre as suas obras. No primeiro dia da Feira será também inaugurada uma exposição de fotografias, de António Frazão. Sob o título «Leituras», a exposição de fotografias faz a ligação entre a palavra escrita e a imagem e relaciona o elemento icónico do livro com o elemento imagético da leitura

publicado por cristms às 10:23
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 21 de Março de 2010

No Dia Mundial da Poesia, ouçamos...

Ary dos Santos... Deixou-nos há 25 anos mas o que escreveu permanece sempre actual... Partilho quatro vídeos do album RUA DA SAUDADE, albúm de homenagem a Ary dos Santos... Para além das letras, as intérpretes fizeram um excelente trabalho... Confiram!

 

publicado por cristms às 15:57
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Sexta-feira, 26 de Fevereiro de 2010

Um convite!

Aproveito este post, antes de fim de semana, para convidar todos quantos queiram, a assistir a uma leitura encenada da "história da sapinha que queria voltar a ser princesa!" a decorrer amanhã pelas 16:00 em Castelo Branco no largo da devesa, no âmbito do MAU - Mercado de Artesanato Urbano. Vai ser uma estreia para mim nestas andanças e acho que vai valer a pena! Portanto levem os filhos, os sobrinhos e apareçam!

 

Bom fim de semana!!!

 

:)

publicado por cristms às 17:34
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Segunda-feira, 22 de Fevereiro de 2010

Livros :: "O Fruto Proibido"

Terminei há algumas semanas atrás, de ler o livro "O Fruto Proibido" de autoria de Rita mae Brown. Retrata a história de uma lésbica que no decorrer da sua vida, no meio de muita aventura e desventura, encara a sua sexualidade de uma forma bastante normal. Com uma personalidade muito forte e com objectivos bem concretos, ela (quase) não olha a meios para alcançar os seus fins.
Foi a primeira vez que li um livro a retratar a homossexualidade de uma mulher, e tinha curiosidade nisso... Saber se os problemas com que nós homossexuais homens são idênticos aos que as mulheres lésbicas enfrentam. E a conclusão a que cheguei é que sim! O saír do armário é sempre complicado, seja homem ou mulher, mas fiquei com a sensação de que não existe tanto drama relativamente à orientação das mulheres.
É mais bem aceite...

Todos os posts sobre livros podem ser lidos AQUI

publicado por cristms às 12:50
link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|
Quarta-feira, 17 de Fevereiro de 2010

Novos livros portugueses a saír...

Em maré de livros, e com o tema da homossexualidade cada vez mais discutido, estão para breve o lançamento de dois livros distintos, dos quais faço agora eco. (obrigado Felizes Juntos pela informação)

 

- Livro “3º SEXO” da autoria da jornalista Raquel Lito, que se realizará no próximo dia 19 de Fevereiro, pelas 23,30 horas na Discoteca TRUMPS (Rua da Imprensa Nacional 104 B   Lisboa – www.trumps.pt – 963160602 ).

 

São 12 depoimentos marcantes. Uma antiga estudante de teologia que trabalhou em linhas eróticas. Uma militar que não consegue assumir-se no trabalho. Um marido com vida dupla. Uma humorista agredida pela namorada.

Algumas figuras públicas também falam pela primeira vez, sem tabus, da sua atracção pelo mesmo sexo: um actor, um escritor, um piloto de automóveis e um chef de cozinha.

Confissões surpreendentes e corajosas num País onde ainda não é fácil assumir plenamente a homossexualidade, apesar da recente aprovação do casamento entre pessoas do mesmo sexo.


- Livro “O casamento homossexual e o ordenamento jurídico-constitucional português”, de autoria de Isabel Baptista, juíza do Tribunal das Caldas, no dia 25 de Fevereiro, no salão nobre do Governo Civil de Santarém. A apresentação da obra será feita por Rui Rangel.

“A parte principal do livro, tirando o último capítulo, está escrita há dois anos, e faz parte dos meus seminários que integram o meu mestrado na Faculdade de Direito de Lisboa”, revelou a juíza.

A magistrada já tinha chegado à conclusão de que o Tribunal da Relação “devia ter considerado inconstitucional a norma que não permitia o casamento”, criticando também “outra perplexidade que levanta também questões de inconstitucionalidade, que é a não permissão da adopção pelos casais homossexuais”.

 

Todos os posts do blog sobre livros podem ser lidos AQUI

publicado por cristms às 17:47
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 2 de Fevereiro de 2010

LER NO CHIADO :: A não perder!

publicado por cristms às 10:15
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 17 de Novembro de 2009

Mais um livro a não perder!

Acabei de ler esta semana, o livro "Michael Tolliver está vivo" e aconselho vivamente, principalmente a quem leu as Histórias de São Francisco (ver aqui post). A forma como o autor (Armistead Maupin) retrata de forma tão natural, ternurenta e apaixonante a vida de um casal gay (com grande diferença de idade entre os dois), o seu dia-a-dia, as amizades, é tão engraçada que é impossível ficar indiferente. Mesmo para quem não leu as Histórias de São Francisco, o autor tem o cuidado de enquadrar as personagens sendo muito fácil criarmos uma "relação" rapidamente com elas.

Aconselho vivamente!

 

 

Todos os posts sobre Livros AQUI

 

 

sinto-me: rendido
publicado por cristms às 16:36
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 24 de Setembro de 2009

Partilha-te :: "Os meus irmãos"


 


 

Há alguns meses foi lançado o livro "Partilha-te" já por mim referido anteriormente aqui(disponível para download em www.partilhate.com). Basicamente trata-se de 149 histórias de homossexuais, amigos ou familiares que partilham a sua experiência nas mais variadas vertentes. Hoje publico uma dessas histórias, que ao lê-la me "transportou" para o momento em que - no dia que assumi a minha homossexualidade para o meu pai - o meu irmão me ligou depois de contactado pela minha mãe a contar o que se tinha passado. O meu irmão é militar e considero-o a minha antítese. Somos muitooooo diferentes, e dos vários traços da sua personalidade, salientam-se a sua virilidade e as milhentas aventuras que teve com mulheres. Por isso eu receava muito a sua reacção ao saber que o seu irmão era gay. Nesse dia ele ligou, conversamos normalmente (eu estava, aliás, ambos estavamos muito nervosos mas a tentar disfarçar) e na hora da despedida em que eu estava quase a pensar "Ufa, afinal ele não sabe de nada ainda!", eis que me pergunta "Não tens nada para me dizer?". Pronto, nesse momento caiu-me tudo!!! Para me tranquilizar ele quase não me deixou falar, e disse, emocionado: "Mano, já sabemos o que se passa e quero que saibas que eu e a tua cunhada estamos ao teu lado e te apoiaremos no que for necessário. Estamos um pouco chocados mas conta connosco.". Desde então, e (ainda) neste momento em que escrevo estas palavras, não consigo deixar de me emocionar. Foi dos momentos mais marcantes do meu com'out e ainda mexe muito comigo. A história do Partilha-me que transcrevo de seguida, retrata a situação de uma outra pessoa, o Ricardo (um dos principais impulsionadores do livro), e da forma como os seus irmãos receberam a notícia. Quem tiver curiosidade pode ler a história do meu com'out através do marcador "Contar aos pais".

 

Os meus irmãos

 

Durante muitos anos ouvi histórias de pessoas que tinham tido problemas em contar à  família por isso sempre achei que eu não seria diferente. Mas chega uma altura da nossa vida em que não podemos continuar a fugir à realidade e a minha altura tinha chegado. Decidi então, no início do ano, contar aos meus irmãos. Cabia-me agora decidir se contar a todos ao mesmo tempo ou em separado. Por muitos conselhos que possamos pedir, no final de contas somos sempre nós a decidir.

Numa manhã em que estava a trabalhar fui invadido por uma onda de coragem e enviei uma mensagem aos meus irmãos a combinar um encontro pois precisava de falar com eles.
Começaram então chover as mensagens de resposta a perguntar se estava tudo bem e o que se passava. Foram dois ou três dias em que me preparei para todos os cenários possíveis menos para o cenário com que fui confrontado. Preparei também montes de coisas que queira dizer mas no momento da verdade nada desta preparação serviu.
Nada correu como eu planeei e não usei nenhum dos discursos que tinha preparado. No fim depois de alguma conversa de circunstância acabamos por nos sentar, eu de frente para eles e foi então que, estranhamente, fui invadido por uma calma enorme e lhes contei o
maior segredo da minha vida. As palavras que saíram da minha boca "sou homossexual"
provocaram diferentes reacções nos meus irmãos. No momento em que acabei de dizer a frase deu para ver as caras deles mudarem, mas o que aconteceu a seguir não era nada do que eu esperava. Reagiram muito bem, melhor do que qualquer dos cenários que eu tinha criado na minha mente, sendo que a única reacção "negativa" foi que eu já
devia ter contado há mais tempo.

Algo que me espantou também na reacção deles foi terem tentado perceber o quanto eu devo ter sofrido ao esconder durante tantos anos (17 para ser mais preciso) a minha  verdadeira orientação sexual. No momento em que lhes contei a verdade pareceu que o tempo parou e tive tempo de observar cada uma das reacções que eles tiveram e decidi
então perguntar o que pensaram no momento em que contei.
As minhas irmãs disseram-me algo que eu já desconfiava, ou seja que já "sabiam" mas só esperavam por confirmação e o meu irmão que não imaginava e que sempre pensou que eu fosse tímido com as raparigas, mas que me apoiava a 100% e que só tinham pena que eu
tivesse demorado tanto tempo para contar.
No final da conversa senti-me livre, mas nos dias que se seguiram andei completamente perdido com uma confusão de sentimentos enorme. Tudo isso acabou por passar com o tempo e os meus irmãos têm-me dado muito apoio o que é muito importante pois mais à frente iria precisar do apoio deles para contar aos meus pais.
Ricardo M. Santos
27 Anos

sinto-me: tocado
publicado por cristms às 16:43
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Quinta-feira, 23 de Julho de 2009

O MESSIAS DOS JUDEUS :: Grande Livro

Mais um livrinho que terminei (quem diria há uns anos atrás que me ia tornar num leitor assíduo de livros!? Será da idade?), desta vez O MESSIAS DOS JUDEUS, e adorei! A história é linda, sem muitos rócócós pelo meio. Objectiva qb, aborda vários temas problemáticos, mas foca-se na paixão vivida por dois adolescentes (gays) que embora vivendo em mundos diferentes, e descobrindo pouco a pouco a sua sexualidade, tentaram levar por diante o seu sonho de ficarem juntos e darem vida ao seu amor. Com avanços e recuos, com aventuras e medo, com ousadia e timidez, fica-se agarrado a esta história e lê-se com gosto e rapidez tal é a vontade de ver o desenrolar dos acontecimentos!


Recomendo!

 

Todos os posts sobre LIVROS

sinto-me: Messias?
publicado por cristms às 13:18
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Sábado, 18 de Julho de 2009

“Te Deum”

E como prometido, publico o último poema que poderão ouvir hoje, Sábado, de madrugada, no programa Sessão da Noite da Antena 1, pela uma hora da madrugada. O autor já sabem quem é, o Alexandre O Grande, ou Alexandre Inácio, e é com muito prazer e com um grande bem-haja que vos deixo as suas palavras...

 

 

“Te Deum”

 

Desesperado…

Moribundo…

Ajoelho-me ao altar da igreja velha.

O Silêncio cáustico chupa as lágrimas

Que se me jorram das entranhas…


 

Em jejum,

Sem fome…

A Fraqueza do espírito contorce-me o corpo.

Desabo os ossos pelo chão…

E desmaio a Vida…

 

Gelado,

Sem frio…

Entreabro os olhos e vejo a Luz…

Rompendo a estátua de Cristo,

Sai ele próprio vivo, inteiro, nú.


 

Assustado,

Incrédulo…

Vejo-o aproximando-se de mim

Príncipe, perfeito, sem coroa, nem espinhos

Cegando-me com os olhos doces de alecrim.

 

Firme,

Misericordioso…

Estende o braço e segura a minha mão.

Aligeira-se a minha Dor

E sorri-me calmo, com mansidão…

 

De rompante,

De surpresa,

Esmurra-me a cara sem defesa

Caio ao chão perdido

E atira-se em pontapés ao corpo estendido.

 

Contorço-me,

Aflito…

Arrasta-me pelos cabelos

Violento, pelos bancos cúmplices

Choro desterrado as vísceras que me doem.

  

À porta,

Frente ao Mundo,

Ergue-me moribundo nos seus braços

E dá-me um beijo terno, nos lábios,

Que me sabe a fel…

  

Desnorteado,

Sem sentidos,

Correndo-me as lágrimas pelo rosto em sangue,

Pergunto-lhe:

Serei expulso do céu,

Por fornicar homens como eu?

Responde-me apenas:

A tua alma é minha.

O teu corpo é teu.

sinto-me: a contemplar..
publicado por cristms às 02:18
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Quarta-feira, 15 de Julho de 2009

"De máscaras feito…"

Como já referi, na madrugada do próximo Sábado, mais propriamente à uma da manhã, irá para o ar mais um programa "Sessão da Noite" da Antena 1. Este terá temática gay e nele ir-se-ão ouvir três poemas: um, o Cores Proibidas, este que hoje divulgo e um outro que divulgarei antes do próximo Sábado. O autor, Alexandre Inácio, um leitor e amigo do blog é o autor deste poema que hoje publico e do próximo a publicar. Agora digam lá que este rapaz não tem jeito?! hein?!

Deliciem-se....

 

De Máscaras Feito

 

Não tenho corpo

Nem uma alma só

Se tiro a máscara

Fico nú.

 

Em carne viva

Sem pele

 

Gasta, podre

Em nojo crú.

Asco de mim,

Ser assim.

 

Actor sem papel,

Sempre em palco,

Sempre outro,

Nunca eu por mim.

 

Por amar

Quem não convém

Por foder

O que se desdém

 

Mudo a alma

Visto o prazer

Proibido

Secreto meu

 

Conhecido

Desejado

Do inferno ao céu.

 

E de máscaras feito

Ponho e reponho

Personagens

De pesadelo, 

De sonho

Ocultas, escondidas

D’alheio peito.

 

Espelho reflectido

Dou imagem

Que me dão

E assim vivo

Feliz

Expurgando

Purificando

O que ninguém se diz.

 

Sou messias.

Entrego o corpo.

Entrego a vida.

Salvo o mundo

Do pecado

Da carne

Reprimida…


 


 

sinto-me: bem...
publicado por cristms às 20:55
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Sexta-feira, 10 de Julho de 2009

Partilha-te :: "As saudades são infinitas"

Não resisto a transcrever uma das 149 histórias do livro Partilha-te... Ainda não as li todas, mas das que li esta tocou-me particularmente...

É afinal a história de muitos nós...

 

As férias de Verão na aldeia sabiam sempre bem. Era uma maneira
de descomprimir do stress das aulas e dos professores, de todas as
responsabilidades que uma cidade nos põe nos ombros. Lá, na aldeia, o
tempo não corre. Os vales verdejantes aconchegam-nos o coração e a
alma. Os vales verdejantes e os teus cabelos ruivos. Um contraste quase
outonal. Ainda hoje os teus cabelos ruivos e a tua tez levemente
sardenta me atormentam o espírito. Éramos unha com carne.
Reparei em ti quando devíamos ter para aí doze anos. Na altura
éramos putos rebeldes e divertíamo-nos a jogar playstation nas tardes
soalheiras em tua casa. O sol era imenso e não dava para brincar cá
fora. Só saíamos à tardinha, quando começava a soprar o vento fresco
de norte. Já nessa altura eu gostava quando os teus braços roçavam ao
de leve nos meus, enquanto nos aconchegávamos no sofá estreito, em
frente à televisão, a ver o Jet Set Radio no seu skate maldito.
E os anos passaram. Um, dois, três, quatro. A nossa amizade foi
crescendo. Éramos melhores amigos naquela aldeia. Os outros rapazes
gostavam de ir para o rio ver as moças, jogar à bola e andar de mota. A
nós nada disso nos apelava e punham-nos de lado. Passávamos o
tempo a falar de jogos, de tecnologia, de música, de livros. E fomos
crescendo, lado a lado, solitários. No fim do Verão eu regressava
sempre à urbe, ao bulício, à confusão. E tu por lá ficavas resignado,
cada vez mais só, na tua aldeia. Soube que ultimamente os outros
rapazes gozavam contigo e eu não gostava disso. Chamavam-te
“cenoura”, “cagado das moscas” e coisas assim. E tu fazias orelhas
moucas a eles todos. Era uma alegria sempre que me vias e vinhas logo
para o pé de mim a correr. Íamos para o miradouro, longe de tudo e
todos, olhar o rio. Lá, abraçavas-me, e agarravas-te a mim. Preguiçoso
como eras, deitavas-te no meu colo e deixavas que eu te fizesse festas,
devagarinho, no cabelo. Enquanto fechavas os olhos e dizias coisas
muito baixinho e lentamente. E eu olhava-te de cima e só desejava que
o tempo nunca mais passasse. Estava a ficar completamente apanhado
e não havia retorno.
Neste último ano a tua mãe dera-te um telemóvel. Passaste o ano a
melgar-me com mensagens, às quais, eu respondia sempre, presto e
com carinho. Queixavas-te de um Inverno rigoroso e solitário que
nunca mais passava. De tardes e noites enfiado em casa só a jogar e a
ler porque não tinhas mais nada para fazer nem ninguém com quem
falar. E uma solidão que te começava a enlouquecer. Eu, na cidade,
rodeado de gente e facilidades. Mas cada vez mais só, também. Não me
revia em nenhum dos meus colegas que só se pareciam interessar por
futilidades. E sempre que pensava em amor não era uma moça que me
vinha à ideia. Eras tu. Tu, quem me aparecia sempre nos sonhos.
Sonhava contigo no meu colo, no miradouro, e em como, devagarinho,
me baixava e tu deixavas que os meus lábios tocassem nos teus. Ao
pôr-do-sol. Era um cenário perfeito. Era uma fantasia perfeita. E
sobrevivi mais um ano inteiro na cidade à custa dela.
Quando chegou a Julho reunimo-nos de novo. O Julho dos nossos
dezasseis anos iria ser mágico, pensei. Não podia ser de outra forma.
Tinhas crescido e criado alguma barriguinha. Nada que te afectasse.
Era mais qualquer coisa para apalpar e com a qual eu me podia meter.
Tu afastavas-te a rir e a dizer “Pá, pára lá com isso”, mas sem levar a
mal. No entanto estavas mais frio, mais distante. Apenas um pouco,
mas notava-se. Os anos iam tendo peso em ti. E a descoberta de ti
mesmo também. O que era natural, também me vinha descobrindo a
mim próprio. E nesta altura já não tinha dúvidas. Do que eu era, de
quem eu era, do que sentia. Mas o tempo ia passando e não havia
novidades. As mesmas brincadeiras de sempre, as mesmas conversas,
era tudo bom, mas sentia falta de qualquer coisa. Sentia falta de mais.
De um passo, do nosso beijo, do beijo que tanto imaginei. E de tudo o
que se poderia seguir. Mas tu não tomavas iniciativas e fechavas-te em
copas. Uma vez, em tua casa, quando jogávamos playstation, fui atrás
de ti, espreitar-te, à casa de banho. Não fiz por mal, tinha muita
curiosidade. Tu reparaste. Mas nada disseste. Baixaste apenas a cabeça
e ficaste calado. Pareceste ficar um pouco incomodado. Já te conhecia
bem demais. Quando os outros rapazes gozavam contigo era isso que
fazias. Baixavas a cabeça e fechavas-te em copas.
Outro dia, quando passeávamos na estrada, pus-te a mão no
ombro e comecei a apertá-lo ao de leve. Nada que não tivesse feito
antes, que não fosse natural entre nós. E tu nada disseste. Mas quando
a dona Arminda se aproximou, ao fundo da curva, mal te apercebeste
da sua presença, retiraste-me a mão. Foi um pequeno gesto. Muito
subtil, que ninguém notaria. Mas que eu notei e me deixou triste. Nessa
noite tive vontade de chorar. Parecia que te estava a perder aos poucos.
Comecei a entrar em turbilhão na minha cabeça. Não podia ser. A
imagem do beijo encorajava-me. De ti no meu colo. No dia seguinte
levei-te ao miradouro.
Mas não te deitaste no meu colo. Ficaste apenas calado com a
cabeça a olhar o longe. Coloquei as minhas mãos nas tuas costas e fizte
umas leves massagens. Mas tu não rolaste nem deste patinha. Não te
derreteste como era costume. Ficaste como uma estátua. Pus a mão no
teu cabelinho e afaguei-o. Virei a tua cara para a minha e disse apenas:
- Tenho algo muito importante para te dizer.
Os teus olhos cruzaram os meus e piscaram. Quase um esgar de
dor. Pareceram minutos infindáveis os segundos que me contemplaste
a tentar ler a minha alma. E quando acabaste de o fazer só fechaste os
olhos, a medo, retorquindo:
- Não sei se quero ouvir isto...
Mas já era tarde. Eu já ia embalado. Ou era agora ou nunca. Eu
não te podia perder.
- Acho que estou apaixonado por ti. Eu gosto de ti.
Ficaste parado, sem reacção. Olhaste para o rio. Desviaste o olhar
de mim. Eu desinchei como um balão, mas quase tremia expectante.
Temi uma fúria desmedida. Pensei muito nisso quando antecipava este
momento. Podias ficar furioso. Mas eu tinha de arriscar. Porque ainda
acreditava que, no fundo, te irias render e eu iria ter o meu beijo.
Mas não. Nem ficaste furioso, nem eu tive o meu beijo. Limitastete
a levantar, baixar a cabeça e em silêncio desaparecer.
- Tenho de ir jantar...
Disseste com voz sumida.
E eu fiquei prostrado a olhar o vazio. Uma lágrima veio por mim
abaixo. Suspirei muito. “Já está!” Pensei. “Agora não há volta a dar”.
Durante a semana toda não vieste à rua. Não apareceste. Não
respondeste a nenhuma mensagem. Nada. Um silêncio dilacerante. E
eu não tinha coragem sequer de te ir bater à porta. Passei a semana a
comer mal, a dormir mal. A minha avó achou que eu estava doente e
resolveu mandar-me de volta para casa, para a cidade. E eu concordei.
Já não estava ali a fazer nada. O meu paraíso estava um inferno. A
minha mente andava a mil à hora e não percebia, não conseguia
compreender o que se passava. Como tudo tinha mudado. E como
tudo tinha ficado tão difícil. No dia seguinte partiria. Antes porém
passei por tua casa, tinha mesmo de te ver. Com toda a coragem do
mundo bati à porta. Abriu-a a tua mãe. Sorriu-me como sempre, nela
nada houvera mudado e disse-me para entrar e avisou que eu estava ali.
Entrei a medo e fui até à sala. Estavas a jogar, como sempre, e nem
viraste a cara para mim. Disse-te apenas:
- Amanhã vou embora. Volto para casa.
Continuaste a jogar como se nada fosse. Nem estremeceste. Fiquei
impávido e chamei o teu nome baixinho. Acabei por murmurar.
- Desculpa...
Não sei porque o disse. Mas disse-o. Vacilaste. Senti uma pequena
reacção, uma palavra que finalmente penetrou a tua muralha silenciosa.
Muito baixinho murmuraste a custo e muito devagarinho, sempre sem
virar a cara.
- A minha boca é um túmulo... Faz boa viagem... E que tenhas
muita sorte na vida...
Virei-me e parti com o coração destroçado. Mas ao mesmo tempo
aliviado. Se não me tivesse declarado ficaria para sempre a pensar no
que poderia ter acontecido. Assim, o assunto morreu ali. Nunca soube
o que realmente se passou. O que realmente iria na tua cabeça, se
tinhas medo. Porque antes nunca mostraras medo. Se gostavas de
alguém. Como iria o teu coração. Porque nunca te ouvira falar em
raparigas. Nunca te ouvira falar em ninguém. Ainda hoje conservo no
meu telemóvel a mensagem enviada meses antes.
- Quando vens para a aldeia? Já estou a ficar doido de estar aqui
sozinho. As saudades são infinitas...


André Abel Aaires
22 Anos
 

sinto-me: tocado
publicado por cristms às 12:09
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
|
Domingo, 5 de Julho de 2009

Cores Proibidas


 

Brevemente, na Antena 1, no programa Sessão da Noite, irá ser dedicado à temática gay. A convite do autor do programa, aceitei declamar uns poemas, três mais precisamente, escritos pelo Alexandre Inácio, leitor do blog e (já) amigo pessoal. Gentilmente aceitou o desafio e escreveu dois poemas, e traduziu este que hoje publico. Fica também uma versão da mesma música, um solo, a piano.. Ponham a tocar e leiam o poema... ;)

 

 

 

Forbidden Colours (Cores Proibidas) é o título de uma música (1983),composição do japonês Ryuichi Sakamoto, letra e interpretação do britânico David Sylvian, trilha principal do filme, do mesmo ano, "Merry Christmas, Mr.Lawrence", do realizador Nagisa Oshima. A letra descreve o sofrimento e contrariedades resultantes do peso das mentalidades a respeito da homossexualidade. A luta interior contra si próprio, sintetizada na expressão do refrão "my love wears forbidden colours..."
 

 


 CORES PROIBIDAS

 

 

As feridas nas tuas mãos parecem nunca sarar

 

 

Eu pensava que tudo o que era preciso era acreditar...

 

 

 

Aqui estou eu, longe de ti à distância de uma vida

 

 

O sangue de cristo, ou o batuque do meu coração

 

O meu amor veste cores proibidas,

 

 

A minha vida acredita...

 

 

 

Anos sem sentido correm sobre mim

 

 

São milhões os que dariam a vida por ti

 

Será que nada sobrevive?

 

 

 

 

Aprendo a lidar com estes sentimentos à minha volta,

 

As minhas mãos na terra, enterradas dentro de mim.

 

 

O meu amor veste cores proibidas,

 

A minha vida acredita, outra vez, em ti.

 

 

 

 

Caminharei em círculos

 

Duvidando do terreno que fica para trás,

 

 

Tentando mostrar uma fé inquestionável em tudo

 

Aqui estou eu, à distância de uma vida, longe de ti

 

 

 

O sangue de cristo, ou o coração que muda.

 

 

 

O meu amor veste cores proibidas

 

 

A minha vida acredita

 

O meu amor veste cores probidas

 

A minha vida acredita, outra vez, em ti.

sinto-me: de cores alegres
publicado por cristms às 13:21
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Terça-feira, 30 de Junho de 2009

Novos livros portugueses, com temática gay!

Poucas vezes temos lançamentos de livros de autores portugueses de temática gay. O mês de Junho de 2009, ao que parece trouxe-nos ao mesmo tempo dois livros: "A CHAVE DO ARMÁRIO" de Miguel Vale de Almeida e PARTILHA-TE, resultado da partilha de histórias partilhadas por pessoas homossexuais.

 

É motivo de congratulação estas duas edições, mostra que algo está a mudar, mas por outro lado, achei estranho, bastante estranho, que os respectivos lançamentos coincidissem no dia e na hora! Pergunto eu: porquê?! Eu até gostaria de ter ido ao lançamento de ambos, mas como não me consegui dividir em dois (estranho não é?) optei por ir ao que me calhava mais em caminho... Já ouvi várias vezes falar da pouca união entre as várias associações LGBT mas nunca dei muita importância, mas esta coincidência de datas parece-me estranha, até porque o lançamento do PARTILHA-TE estava inicialmente programado para outro dia e acabou por ser alterado para o dia 24... Enfim, talvez possa ser apenas uma infeliz coincidência mas penso que no futuro poderiam e deveriam tentar fazer com que isto não se repetisse. Somos tão poucos a ter coragem e a dar voz e corpo, que só juntos, todos juntos, poderemos conseguir esse objectivo. Já agora, porque é que a OPUS GAY não participou nas festividades? Hein??

 

Relativamente aos livros, devido ao atraso da jornalista Fernanda Câncio (segundo ela "já é normal eu chegar atrasada!") não pude ficar até ao final do lançamento do A CHAVE DO ARMÁRIO e ouvir o autor falar... No entanto, com a intervenção da Fernanda pareceu-me que deve ser um livro interessante... Comprei e já está em fila de espera para leitura! 

Quanto ao PARTILHA-TE que comecei hoje a ler, acho que qualquer homossexual gostará de ler as histórias partilhadas, tão diferentes, e ao mesmo tempo tão iguais... Um livro fruto da boa vontade dos leitores, na blogosfera, e que só por isso demonstra que algo está a mudar no nosso país... 

 

Ficam as sugestões!

Boas leituras!!!

 

Todos os posts do blog sobre LIVROS podem ser lidos AQUI

 

PS: Queria partilhar que no lançamento do livro no Centro LGBT, foi muitooooo giro ver um casal de lésbicas e um outro casal de gays, cada um com o seu filhote... Que inveja que senti!!! :))

 

 

sinto-me: com dúvidas...
publicado por cristms às 11:03
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Domingo, 21 de Junho de 2009

Puro sexo (?!)

Acabei ontem de ler um outro livro, desta feita purosexo.com, de Dennis Cooper, da editora Bico de Pena. É talvez o livro, talvez não, é mesmo, o livro mais violento que alguma vez li. Acredito que muita gente não consiga sequer chegar ao final do livro tal é a descrição nua e crua de uma vertente do sexo levada ao extremo!

O livro retrata basicamente mensagens deixadas em fóruns da internet, fóruns de foro sexual, para encontrar e relatar experiências com prostitutos gays. Para além de nos dar a conhecer o lado mais negro da mente humana (que muitos poderão achar ficção mas que eu acho que existe!), relata experiências sexuais sado masoquistas e para lá disso... Foi este livro que li nas mini-férias e ele serviu de mote a algumas discussões, pois todos tiveram curiosidade em dar uma vista de olhos. Ninguém fica indiferente e o primeiro pensamento que surge é "Isto é possível?". E por esse facto, por termos discutido sobre o assunto já valeu a pena, mas também para ficar a conhecer as mentes perversas e doentias com quem nos podemos cruzar, sem aparentemente sabermos... 

 

Sugiro para quem tem tomates! Ehehe! É de homem!!! Ehehehe!

A sério, é muito violento, no entanto, eu gostei de ler e é quase impossível não querermos chegar ao final da história do Brad!

 

:))

sinto-me: com medoooo!!!!
publicado por cristms às 18:23
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 16 de Junho de 2009

As Lágrimas de Bibi Zanussi


 

Acabo de ler o livro As Lágrimas de Bibi Zanussi. Com uma capa bem sugestiva (e que segundo o autor, Pedro Gorski, foi recusada a sua venda em muitas livrarias devido a esta capa, e noutras o livro foi vendido por baixo da mesa), e sendo um título de um autor português de temática gay, fiquei obviamente curioso. Comprei através do site da Pergaminho, uma série de títulos, e este custou 14 euros. O livro é composto por vários contos ficcionados, suponho eu, e cada um à sua maneira, retrata vivências diferentes de gays... Algumas das histórias passam-se em Lisboa em cenários que facilmente conseguimos visualizar mentalmente o que dá um tom mais realista à coisa!
Em apreciação geral, gostei do livro, embora esteja longe de ser um livro apaixonante. Lê-se bem, e eu, muito sinceramente, saltei muitas vezes texto, porque embora bem intencionado, o autor encheu as histórias com muita "palha", o que retira objectividade à coisa. E eu sou do tipo mais objectivo, e tenho alguma dificuldade em gostar de ler cinco linhas quando se pode dizer a mesma coisa em duas ou três palavras! Achei que é bastante notório o facto de tentar dar algo à escrita de forma a torná-la mais intelectual, ou seja lá o que fôr e para mim isso é totalmente dispensável. Mesmo assim não dou o dinheiro como perdido e algumas das histórias são bastante interessantes e é bem provável que quem leia se identifique com algumas delas!
 


Fica a sugestão!

Todos os posts sobre livros podem ser lidos AQUI
 

sinto-me: um homem de contos
publicado por cristms às 19:28
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 24 de Abril de 2009

Livros :: "FIO SOLTO"

Este foi o livro das minhas últimas férias, "fio solto", de Dennis Cooper, editado em Portugal pela editora Bico de Pena...

Bem, trata-se de um livro para maiores de 18 anos!

É um livro um pouco louco... Ou pelo menos retrata a loucura de um moço que vive um amor proibido... Com se não chegasse uma homossexualidade não aceite por ele próprio e portanto uma constante luta interior, o rapaz apaixona-se pelo próprio irmão...  Um romance trágico, que demonstra bem a dificuldade que por vezes é aceitarmos a nossa sexualidade, que neste caso em particular é levada ao extremo...

Fácil leitura...

11 euros...

Podes comprar AQUI

 

sinto-me: solto!
publicado por cristms às 20:35
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Terça-feira, 6 de Janeiro de 2009

Primeira com'OUT de 2009 já nas bancas!

 

TEMPOS DE CRISE

Chegou o ano mais temido das últimas décadas. Mesmo os principais agentes do palco político, que tantos malabarismos fazem para esconder a realidade, já avisaram: preparem--se, este vai ser um ano complicado. Já cada um de nós sentiu o impacto da recessão, mas não foi assim que nos habituámos sempre a viver? Todos os anos se ouve a palavra crise colada a qualquer contexto.  Mas o papão desta vez vem com um lifting e preparado para durar…

A crise económica existe, de facto. Mas devia assustar tanto como a crise que existe nos valores. Numa sociedade em que mais facilmente se aceitam imagens de violência do que um acto de carinho entre duas pessoas do mesmo sexo, algo vai mal. O caso recente passado em Itália é sintomático. As cenas dos beijos entre os dois cowboys de Brokeback Mountain foram esquartejadas, quando o filme passou na televisão pública.

Em Portugal, por exemplo, numa altura em que o casamento homossexual era um dos temas incontornáveis, o Prós e Contras, espaço de debate semanal na RTP1, pura e simplesmente, ignorou o tema. Segundo a apresentadora havia temas mais urgentes para discutir

na sociedade portuguesa. Ora aqui está uma boa explicação para aquilo que se aproxima em ano de eleições… e de crise.

Para quê discutir temas ditos fracturantes, quando o País tem a obrigação de se unir para ultrapassar tempos difíceis? Matérias como esta vão continuar a ser inferiorizadas porque não se encontram nos altos desígnios da Nação. E assim, de crise em crise, os nossos políticos vão aproveitando e fugindo aos temas que os atemorizam. Ignorando que ao adiarem estas questões estão a contribuir para uma sociedade menos justa, igualitária e feliz. E em permanente crise.

 

O site da Com’Out já se encontra operacional. Agora já pode ver a capa de cada mês em primeira mão, ver alguns dos temas principais, deixar o seu comentário, pedir números atrasados, assinar a nossa publicação, deixar o seu classificado grátis, saber quais os pontos de venda… enfim, veja por si própri@ em www.com-out.pt

 

A partir do próximo número inauguramos uma nova secção, mais dirigida ao leitor. Pretendemos relatar casos de gente de coragem que dá a cara, relata as suas vivências e dá o exemplo não só à comunidade LGBT, bem como a toda sociedade. Se estiver interessad@ em participar basta enviar um email para redaccao@com-out.pt.

 

 

Esta mensagem foi-me enviada gentilmente, e está transcrita na íntegra

sinto-me: à espera da com'OUT
publicado por cristms às 23:18
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Quarta-feira, 17 de Dezembro de 2008

"CONTO QUASE ERÓTICO"

Hoje, partilho um conto que me chegou pela mão de um leitor assíduo do blog... O Alex, também ele o autor da receita que publiquei há alguns dias "", aceitou o meu repto de me deixar pubicar aqui um conto de sua autoria. Fico sinceramente esperançado de que este seja o primeiro de muitos. Fica então o "Conto quase erótico", atrevido, interdito a menores de 18 anos e que muitos de nós já imaginamos, e que o Alex tão bem passou para o papel:
 
É domingo. Sete da manhã. Acordo sem despertador.
Sinto o calor do corpo dele junto ao meu. Ainda dorme, profundamente.
Adoro vê-lo, assim, sereno, dormindo, contemplá-lo com tempo.
Não resisto, dou-lhe um beijo terno no nariz. Ele mexe-se, mas não acorda.
Sussurro: «Bom dia, meu amor!...»
Levanto-me e saio do quarto. Faço meus exercícios matinais na sala.
Um breve aquecimento, e depois duas sequências de Saudação ao Sol, o meu deus pessoal.
Surya Namaskar é um ancestral exercício de ioga que me desperta o corpo.
Mas falta-me ainda a energia.
Cinquenta flexões de braços, setenta de abdómen. Fico preparado para o dia.
Tomo um taça de cereais, preparo a mochila com o equipamento de corrida,
e saio para a montanha.
Hoje há sol. Corro sem frio.
Depois da corrida, regresso a casa. Já são 10:00 da matina.
Vou ao quarto, ele ainda dorme.
Debruço-me sobre a cama, sento-me ao lado do seu corpo quente,
e, com a minha mão acariciando a sua face, chamo-o:
«Acorda, dorminhoco!»
Levo os meus lábios aos dele,
absorvo-lhe o riso, o cheiro, o hálito, o gosto, a respiração.
«Já são dez horas...» - digo-lhe devagarinho - «Vem tomar o pequeno almoço comigo!...»
«Uhm... Deixa-me dormir mais um pouco...»- resmunga ele, deliciosamente rabugento.
Deslizo a minha mão pelas suas costas, até repousá-la confortável na almofada das suas nádegas.
Insisto: «Levanta-te, fofo! Não tens fomeca?!...»
Ele resmunga preguiçoso. Adoro vê-lo assim, criança, a precisar de mimo.
Ele volta-se, e agora a minha mão desliza para o seu abdómen suave.
Digo-lhe: «Sabes, eu estou cá com uma fome!...»
E a minha mão marota enreda-se nos seus pentelhos até tocar o seu caralho túrgido.
Ele acorda sempre com erecção... Eu nem sempre.
Acaricio-lho, com festinhas, e agarro-lhe gentilmente os colhões entumescidos.
Diz: «O que tu queres sei eu...», rindo-se...
Rio-me, também, e beijo-o, desta vez demoradamente.
Ele está desperto e beija-me com intensidade, nossas línguas e saliva num tango apaixonado.
Com gesto decidido, puxo os lençóis para trás, agarro-lhe as calças do pijama e puxo-as para baixo, com vigor.
Que visão magnífica, o caralho dele... Não me canso de o contemplar.
Esfomeado, lambo-o, provo-lhe o sabor da pele, chupo-lhe os colhões.
Agarro com força o caralho cada vez mais rijo, e chupo-o como quem come.
Ouço-o gemendo de prazer.
Com a língua demoro-me na glande e simulo trincá-la com os dentes.
Ele geme e suspira cada vez mais... Demoro-me.
Pressinto que falta pouco para se vir. Com a boca aperto-lhe a glande e intensifico os movimentos da língua e dos lábios.
Dou-lhe uma dentada atrevida e simulo arrancar-lhe a cabeça do caralho com os dentes.
Ele não resiste a tanto prazer, e vem-se na minha boca.
Chupo-lhe o sémen. Adoro o sabor do sémen dele. Uma iguaria requintada que bebo sequioso.
Com a boca vou até à base do caralho e puxo todo o leitinho retido naquele chouriço de carne apetitosa.
Bebo um gole de água, deito-me sobre o seu peito.
Diz-me: «Estás todo transpirado... Foste correr?»
«Sim, fui. Preciso de ir tomar duche.» - respondo-lhe - «Vem tomar duche comigo...», insinuo-me.
Abraço-o e levanto aquele corpo ainda preguiçoso...
Fomos tomar duche... Mas na minha cabeça... imagino já uma foda molhada.

 
 
sinto-me: contente!
publicado por cristms às 22:27
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|



referer referrer referers referrers http_referer

Lisbon Apartment for rent/holidays
- Gay Friendly -

OS MAIS LIDOS

 

1.FOTOGRAFIA... Ao PÉNIS!
2.DEPILAÇÃO MASCULINA
3.AUTO-PENETRAÇÃO/FELAÇÃO
4.SEXO GAY
5.PRAIAS DE NUDISMO (ALGARVE) 
6.COMO É QUE UM TRAVESTI ESCONDE O PÉNIS?
7.POPPERS
8.SEXO A 3 OU MAIS...
9.GOSTAR DE HOMENS + VELHOS
10.SADOMASOQUISMO
11.VERÃO :: PRAIA :: NUDISMO
Última Act.: 12-08-2009

 

 

English Version



Free Web Counters

Adicionar a Favoritos




Email do Blog

BlogSerGay@Hotmail.com

OS MAIS LIDOS

 

1.FOTOGRAFIA... Ao PÉNIS!
2.DEPILAÇÃO MASCULINA
3.AUTO-PENETRAÇÃO/FELAÇÃO
4.SEXO GAY
5.PRAIAS DE NUDISMO (ALGARVE) 
6.COMO É QUE UM TRAVESTI ESCONDE O PÉNIS?
7.POPPERS
8.SEXO A 3 OU MAIS...
9.GOSTAR DE HOMENS + VELHOS
10.SADOMASOQUISMO
11.VERÃO :: PRAIA :: NUDISMO
Última Act.: 12-08-2009

 

 

Google Earth GAY


(Se não tens o Google Earth, faz download AQUI e depois basta clicar nos links abaixo)
BARES
O Bico, Gayleria - Lisboa

Meeting Point - Lisboa

106 - Lisboa

HERÓIS - Lisboa

PORTAS LARGAS - Lisboa

BRIC A BAR- Lisboa

FINALMENTE - Lisboa

MAX - Lisboa

DISCOTECAS
TRUMPS - Lisboa

FRÁGIL - Lisboa

MISTER GAY - Costa da Caparica

PRAIAS
FONTE DA TELHA - Costa da Caparica

Praia 19 - Costa da Caparica

MECO - Aldeia do Meco


COSTA VICENTINA

Praia do Malhão

Praia de Odeceixe

Praia de Vila Nova de Mil Fontes

 


ALGARVE

Praia da Ilha Armona

Praia Pinheiros

Praia Cabanas Velhas

Praia Meia Praia

Praia das Furnas

Praia do Zavial

Prainha

Praia Beliche

Praia Grande

SAUNAS
GRECUS - Lisboa

SPARTACUS - Lisboa

TROMBETA BATH - Lisboa

RESTAURANTES
PÔE-TE NA BICHA - Lisboa

BICA DO SAPATO - Lisboa

BRASILEIRA - Lisboa

ALOJAMENTO
AS JANELAS VERDES - Lisboa

Hotel ANJO AZUL - Lisboa


LINKS
Ovelha Tresmalhada
Cinema Gay
Provoca-me!!!
Sexual Feeling
Perfeito Vazio
Eu por aqui...gay
O Mundo Gay (quase) Perfeito
Comportamentos de um rapaz difícil
Me Myself And I
Adolescente Gay
Histórias de Un Mira
Confissões aos (quase) 30
Tongzhi
Minha Luz
WhyNotNow
ALL OF ME
só mais uma gayja
Herejes
2 Homens 1 Vida
O outro lado
O Meu Lado B
Sapato de Cristal
MOGAYDOURO
Felizes Juntos
Nunca caí aqui
As faces de Morgan/a...
Individual(mente)
David e Marco
LusoBoy
DE CORPO E ALMA
FARPAS e BITAITES
VERSATILIDADES
HOMEM, HOMOSSEXUAL e PAI
Je Bois
Blog do Armário
Nuba
H2OMENS
O Sétimo Continente
CO-MYX-TURA
Boyzitu
[NobodysBitcho]
Blog Gay
Single White Male
ALGARVE GAY
MADONNA
GAYLERIA

LISTA COMPLETA


TAGS

à mesa(6)

adopção(47)

amigos(35)

amor(72)

artistas(131)

associações lgbt(22)

bares gay(39)

bissexualidade(15)

blog(89)

bullying(5)

casamentos(148)

casamentos gay(125)

cinema(29)

com out(19)

comentario off the record(12)

compras(20)

concursos(20)

contar aos pais(40)

discriminação(219)

educação(17)

elementos de prazer(17)

encontros(13)

eventos(17)

eventos lgbt(28)

família(99)

Família(29)

filmes(22)

filmes gay(10)

fotografia(20)

gay(320)

gay friendly(6)

hiv(9)

homofobia(142)

homoparentalidade(45)

homossexual(259)

homossexualidade(328)

humor(98)

igreja(11)

igualdade(14)

imprensa(36)

informática(5)

jantar convívio(9)

lazer(7)

lésbicas(51)

lgbt(25)

literatura(19)

livros(22)

moda(12)

movimentos gay(6)

música(35)

noite(103)

notícias(281)

Notícias(27)

nutricionismo(7)

o casamento dos lindos(33)

o psi responde(20)

off the record(7)

orientação sexual(7)

partilha-te(6)

passatempos(21)

pensamentos(18)

perguntas(48)

pessoal(442)

poemas(6)

poesia(6)

política(68)

power man 2010(13)

preconceito(11)

psicologia(36)

publicidade(55)

relação(110)

Relação(18)

religião(12)

restaurantes(19)

revista(12)

roupa(7)

roupa interior(6)

saír do armário(34)

sandy(11)

saúde(92)

ser gay(12)

sexo(285)

sexo anal(12)

sexologia(55)

sexualidade(156)

sexy(13)

sida(11)

sociedade(262)

sondagens(45)

teatro(43)

teatro amador(9)

televisão(79)

Televisão(10)

tita(6)

trabalho(32)

transgéneros(18)

transsexuais(26)

travestis(13)

viagens(94)

vídeos(110)

todas as tags

Pub...

<-- PUB -->
O blog em nºs...


Arquivos

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Junho 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

Janeiro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


subscrever feeds

pesquisar